quinta-feira, 30 de julho de 2015

PROCURA-SE (DISQUE DENÚNCIA 181)


quarta-feira, 29 de julho de 2015

Motim em presídio: “Quem sofre são eles mesmos”



Tiros, gás lacrimogêneo, visitas canceladas, horas intermináveis com as mãos na cabeça, transferência para outros presídios. Em outros tempos, a massa carcerária na Paraíba poderia até obter algum benefício com motins e rebeliões. Mas nos últimos anos, os sinais de mudança são claros. Não adianta forçar a barra. A força da reação está cada vez maior.
Nessa segunda-feira, 27, os detentos do presídio Serrotão, em Campina Grande, tentaram experimentar se esse novo modelo de gestão prisional no estado é para valer mesmo. Iniciaram um motim e não obtiveram outra resposta em troca, senão a lista de efeitos colaterais que inicia este texto.
Um detento foi baleado na cabeça e está em estado grave no Hospital de Traumas. Como foi encontrada uma arma dentro dos pavilhões, a perícia da Polícia Civil fará os procedimentos necessários para saber de onde partiu o disparo.
O motivo do motim seria as já conhecidas insatisfações dos criminosos reclusos, sempre em busca de um benefício ou outro. Esquecem (ou querem esquecer) que cumprem pena e exigem um ambiente cada vez ‘melhor’.
Vamos repetir o que dizemos outras vezes por aqui: “o maior problema do sistema prisional é a superlotação.” Mas esse carma só persiste [também] porque muitos criminosos insistem em reincidir no crime quando ganham a liberdade, vão presos novamente e voltam a ocupar aquele espaço de outrora.
Além de voltar a dar prejuízos à sociedade, seja dentro ou fora da prisão, ainda querem impor vontades que não condizem com a disciplina necessária no sistema prisional. Aí não tem outra. Como bem disse o secretário Wganer Dorta, “quem sofre são eles mesmos”.


Fonte: Paraíba em Q.A.P

PROJETO DE LEI (DEP. DELEGADO EDSON MOREIRA)


Delegacia Antidrogas passa o rodo no tráfico em JF. SERVIÇÃO!

Divulgação
Três homens, de 20, 24 e 30 anos, foram presos por tráfico de drogas e associação para o mesmo crime durante a operação “Juventude perdida”, desencadeada pela Delegacia Especializada Antidrogas para desmontar um esquema de venda de entorpecentes envolvendo os suspeitos, todos de classe média alta. A manobra começou a ser desencadeada pela Polícia Civil na semana passada, após dois meses de investigações, nos bairros Bom Pastor, Alto dos Passos, São Mateus, Previdenciários e Sagrado Coração, na Zona Sul, além de São Pedro e Marilândia, na Cidade Alta. Nos endereços vistoriados foram apreendidos mais de 5kg de maconha, porção de cocaína, uma espingarda calibre 12, munições, além de um Ford Edge clonado, um Volkswagen Golf, três motos, celulares e materiais ligados ao tráfico, como balança de precisão.
“Começamos a investigação em cima de jovens de classe média que estavam fazendo tráfico na cidade. O que despertou a curiosidade e o interesse da equipe foi exatamente o fato de que eles não precisariam estar envolvidos com este tipo de crime. Os próprios pais deles, quando ficaram sabendo, ficaram surpresos com a situação, de verem seus filhos no tráfico de drogas”, observou o delegado titular da Antidrogas, Rogério Woyame.
Segundo ele, o trio já vem praticando o comércio de entorpecentes há algum tempo. “Em apenas dois meses de investigação, já tivemos uma grande quantidade de drogas apreendidas, além de munições e arma. Os jovens também estavam mexendo com carros clonados e roubados. Apreendemos um veículo importado de alto valor, com documentação adulterada, o que comprova que já estavam envolvidos com outros crimes.”
No decorrer da investida, outros três homens chegaram a ser detidos, mas foram liberados. Dois deles foram enquadrados como usuários de drogas, e um terceiro, flagrado com 20 munições calibre 38 e três comprimidos sintéticos, como ecstasy, pagou fiança e foi liberado.

Distribuição
Ainda conforme o delegado, um dos presos, 24, pego com cerca de 5kg de maconha no Previdenciários, seria um dos que adquiria maior quantidade de droga para distribuição, ao lado de outro homem, que está foragido. Na casa deste, no Sagrado Coração, a polícia encontrou a arma calibre 12 e 22 munições, inclusive de pistola 380. Já na residência onde estava o entorpecente, também foi apreendido um caderno com a contabilidade do tráfico. “Eles recebiam a droga de fora, tinham vasto conhecimento de pessoas de classe média que consomem, e já tinham até uma casa frequentada por usuários conhecidos”, contou o delegado.
Segundo ele, um sítio foi alugado por um dos suspeitos no Marilândia, supostamente para esconder materiais ilícitos. “Essa parte ficou bem esclarecida: a droga que chegava em grande quantidade, do Rio de Janeiro, era distribuída para outras pessoas, que revendiam para eles.”
Já o rapaz, 20, foi preso no Alto dos Passos, com algumas buchas de maconha, e, segundo as investigações, ajudaria na distribuição da droga. O outro homem, 30, foi pego no Bairu e, ao perceber a chegada da polícia, teria tentado dispensar pequenos tabletes de maconha e uma porção de cocaína pela janela. Os materiais teriam sido adquiridos para revenda.
Os três presos por tráfico e associação para o mesmo crime foram encaminhados ao Ceresp, onde ficaram à disposição da Justiça. “Já temos conhecimento de nomes que estão no caderno de contabilidade apreendido. Percebemos que alguns são usuários e outros são traficantes, que compravam para revender. Por isso será desencadeada uma nova investigação para apurar esses outros suspeitos”, concluiu Woyame.

Rio de Janeiro cria comissão para definir questão sobre aquisição de armas de calibre restrito, já em Minas? Só politicagem!


Membros da Fenaspen realizam ato em frente ao Complexo do Curado

Eles informam que são proibidos de realizarem uma vistoria nas unidades prisionais

 Membros da Federação Nacional Sindical dos Penitenciários (Fenaspen) realizam um ato, na tarde desta terça-feira (28), no Complexo Prisional do Curado, na Zona Oeste do Recife. Eles criticam sobre a possível proibição do Governo do Estado em realizar uma vistoria do local.
Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários em Pernambuco (Sindasp-PE), João Carvalho, a visita serve para reconhecer os problemas do complexo prisional e ajuda na criação de um relatório que será enviado para Brasília.
  Ele comentou também que, na tarde desta terça (28), 46 membros da Federação tentarão fazer a vistoria nos presídios. Caso não consiga, João Carvalho informou que "fará uma denúncia ao Congresso Nacional e ao Ministério da Justiça para com que a revista aconteça".

Fonte: http://www.folhape.com.br/cms/opencms/folhape/pt/cotidiano/noticias/arqs/2015/07/0446.html

terça-feira, 28 de julho de 2015

Inauguração Sub-sede SINDASP-MG em Governador Valadares

  O sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciários do Estado de Minas Gerais, convida todos servidores prisionais de Governador Valadares e região, para inauguração de sua nova sub-sede.

 Dia: 01/08/2015

 Horário: 16:00 Horas

 Local: Rua Israel Pinheiro Nº 3647
            
            Governador Valadares/MG

EXEMPLO DE UNIÃO EM GOVERNADOR VALADARES




  Com a união dos Agentes Penitenciários, Policiais Militares e SINDASP-MG, que contribuíram para a compra de uma nova motocicleta para o ASP Deivid Willian Pimenta, que teve sua motocicleta queimada durante a última rebelião de presos no Presídio de Governador Valadares/MG.

   
  CONVITE

  Convidamos todos Agentes Penitenciários de Governador Valadares/MG, para participar da entrega solene da nova motocicleta do nosso valente guerreiro ASP Deivid.
  Dia 01/08/2015, às 14:00 Hs, na praça do bairro Santos Dumont (Local onde ocorreu o fato).
 Onde mostraremos que a união dos Agentes Penitenciários, Policiais Militares e Sindicato.    Conseguimos arrecadar o valor para adquirir uma nova moto para nosso companheiro.
 Venham prestigiar esse momento histórico, venham todos fardados para demonstrar nossa união!

 Saldo arrecadado com as doações:

Agentes Penitenciários e Policiais Militares                         = R$ 4.000,00
Sindicato dos Agentes Penitenciários (SINDASP-MG)       = R$ 2.000,00


Fonte: Marcelo -Face: Fenaspen
 

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Canil das unidades prisionais de JF apoia mais uma operação da PCMG contra o tráfico


Leonardo Costa
Cerca de 80 policiais civis de Juiz de Fora, Matias Barbosa, Lima Duarte e Ubá, com apoio de agentes penitenciários e cães do canil da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) participaram de uma operação pelas ruas dos bairros São Pedro e Caiçaras, na Cidade Alta. O objetivo era desarticular o comércio varejista de drogas, que, segundo a polícia, acontecia de forma escancarada e ao longo de todo o dia. Foram cumpridos 23 mandados de busca e apreensão, a maior parte em residências. Em sete delas foram encontradas drogas, totalizando 1kg de pasta base de cocaína, 1kg de maconha, 114 papelotes de cocaína, além de porções menores de crack e maconha e materiais para embalar a droga.
O resultado da operação foi divulgado no final da tarde desta quinta-feira (23), pela Polícia Civil. Cinco pessoas foram presas por tráfico de drogas, sendo encaminhadas ao Ceresp, e duas foram levadas à delegacia como usuários. Estes assinaram termo circunstanciado de ocorrência (TCO) e vão responder em liberdade. A polícia informou que os locais alvo da operação foram selecionados após denúncias anônimas da população, além de um trabalho de investigação da própria Polícia Civil. Como não havia disputa pelo tráfico nesses dois bairros, os policiais acreditam que o fornecedor da droga possa ser o mesmo.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Notícia acende o sinal de alerta para o Sistema Prisional!

PM retoma treino para motins
  A falta de contingente no Sistema força uma situação de risco: colocar militares da PM, que não vivem o dia-a-dia nos presídios - diferente dos agentes - para conter motins. Após quase uma década, o Sistema mais uma vez retrocede e retorna com o Batalhão de Choque para os presídios.  Ao invés de investir nos Agentes Penitenciários, cuja função é lidar diretamente com o preso - diga-se de passagem - o Governo prefere desviar a PM de sua função e treiná-los para atuar nos presídios. Faz algum sentido? A PM deveria ficar para um segundo emprego de atuação no Sistema.
  Apesar de insuficiente o quadro de agentes, a categoria possui grupos preparados justamente para situações de motins e rebeliões: o Grupo de Intervenção Rápida (GIR) e Comando de Operações Especiais (COPE). O dever do Governo é aumentar o contingente de agentes e investir na preparação destes, desde a estrutura física para treinamento, até instrutores qualificados e equipamentos de uso contínuo.
  Claro que a questão das intervenções nos presídios vai muito além de qual profissional que as assumem. O que resulta nestes movimentos de presos é o caos iminente em que se encontra o Sistema Prisional com superlotação nas unidades, déficit de agentes, má gestão e péssimas condições de trabalho.
  Precisamos acordar para a real situação pela qual estamos passando. Não é colocando o Batalhão de Choque da PM para intervir nas cadeias que vamos reduzir ou conter as rebeliões. Precisamos sim ter um maior número de pessoas preparadas para tais situações, mas estes grupos já existem, só precisam de mais homens, de investimento. É de extrema importância que a PM esteja disponível para sua função de combater o crime, a sociedade civil precisa de todos os profissionais da Segurança Pública cumprindo seus papéis com maestria. 
 Não vamos desviar funções, nem o assunto:


ATENÇÃO AO SISTEMA
PRISIONAL!
Leia a notícia no Jornal O Tempo
http://www.otempo.com.br/cidades/pm-retoma-treino-para-motins-1.1073879